Microlearning: treinamento eficaz e mudanças de comportamento

By Dr. Jiani Wu, Mar 05, 2021

Microlearning

Módulos de microlearning cuidadosamente projetados tornam as informações mais fáceis de digerir e dão suporte à mudança de comportamento dos funcionários ao longo do tempo.

Eles também podem ser gamificados para aumentar o engajamento dos funcionários e a construção da comunidade.

No entanto, projetar um módulo de microlearning eficaz é mais do que dividir os materiais em pequenos pedaços: eles requerem design e processos sistemáticos.

Este artigo o levará a uma jornada para explorar os fatores que impactam o aprendizado, as melhores práticas de microlearning, os principais componentes dos módulos de microlearning e maneiras de gamificá-lo – tudo baseado em minhas décadas de pesquisa e prática de consultoria em design de aprendizagem.

Também me uni à Venngage, a ferramenta de design simples para comunicação empresarial, para fornecer modelos para que você possa criar facilmente seus próprios módulos de microlearning.

O que afeta a aprendizagem?

O treinamento em sua essência não é apenas mudança cognitiva, mas também mudança comportamental.

O processo de aprendizagem é simplificado em três etapas:

  1. Os alunos absorvem informações sensoriais através de vários sentidos, como olhos e ouvidos.
  2. Eles processam essas informações sensoriais em sua memória operacional ou de curto prazo.
  3. Através de várias oportunidades de dar sentido às informações aprendidas e às informações práticas em vários contextos para identificar padrões, os alunos codificarão essas informações na memória de longo prazo e as aprenderão de verdade.

microlearning

Fonte

Fatores como memória operacional limitada, “curva do esquecimento” e déficit de atenção afetam o aprendizado.

O treinamento, como webinars, workshops e módulos de e-learning, tende a se concentrar no processamento sensorial e de curto prazo, o que força os alunos a amontoar a maior parte das informações na memória operacional ou de curto prazo.

Relacionado: Como criar um programa de treinamento e desenvolvimento de funcionários bem-sucedido

Ao contrário da memória de longo prazo, que tem capacidade quase ilimitada, a de curto prazo ou operacional tem capacidade limitada. Quando a informação está além de sua capacidade, os alunos ficam sobrecarregados cognitivamente e a eficácia do treinamento diminui.

A pesquisa demonstrou que a eficácia do aprendizado é maior nos primeiros cinco minutos e cai drasticamente após 15 minutos (Burns, 1985). Para um vídeo de 16 minutos, os participantes processarão apenas as informações dos primeiros três minutos (Guo, Kim & Rubin, 2014).

Além da limitação da memória operacional, o aprendizado também é impactado pela “curva do esquecimento” e pelo déficit de atenção. Depois de aprender algo novo, que quantidade de informações você que acha que ainda se lembrará amanhã? A maior parte? Provavelmente não.

Hermann Ebbinghaus, um psicólogo alemão, descobriu que geralmente nos lembramos de 20% no dia seguinte. Ele chamou isso de “curva do esquecimento”.

microlearning

Fonte

Além disso, agora temos um período de atenção mais curto. A duração média das músicas na Billboard Hot 100 agora é de cerca de três minutos e meio. Algumas canções de sucesso são ainda mais curtas, com cerca de dois minutos e meio.

Em uma sala de aula tradicional, a atenção de um aluno adulto atinge no máximo 18 minutos (Murphy, 2008). Em um ambiente de aprendizagem online, esse período será muito mais curto devido a multitarefa e distrações (Rothman, 2016). É comum que entremos em sintonia com uma sessão gravada ou passemos os olhos por um artigo enquanto procuramos sites, corremos, cozinhamos ou esperamos na fila.

Microlearning é uma abordagem moderna para superar esses desafios.

O que é o microlearning? Uma definição

Microlearning oferece “pedaços” de conteúdo curtos e focados em vários intervalos, como dias, semanas ou meses. Essa repetição espaçada supera efetivamente a perda de memória causada pela “curva do esquecimento”. microlearning

Fonte

Os gerentes geralmente preferem o microlearning porque ele fornece treinamento e informações sob demanda e atualizadas.

O microlearning eficaz sempre se ajusta bem ao fluxo de trabalho diário das pessoas e as motiva a se envolverem voluntariamente. Em última análise, ele molda como as pessoas pensam e se comportam (Dolasinski & Reynolds, 2020).

Melhores práticas de microlearning

Uma unidade de microlearning eficaz geralmente dura não mais do que três a cinco minutos (Fox, 2016; Dolasinski & Reynolds, 2020) e se ajusta naturalmente ao fluxo de trabalho diário, além de motivar os funcionários a se envolverem com ele de forma voluntária e a adaptarem progressivamente o conteúdo para apoiar a mudança de comportamento dos funcionários que afetarão os resultados dos negócios específicos.

Cada módulo de microlearning geralmente é usado em combinação com uma série de outros módulos durante um período de tempo para dar suporte a uma meta de treinamento maior (Kapp & Defelice, 2019).

Você pode usar cada módulo de microlearning:

  • Antes do grande evento de treinamento, ou seja, para preparar gradualmente os funcionários
  • Após o evento de treinamento para apoiar a prática continuada e desempenho.
  • Para facilitar reflexões profundas ou persuadir as pessoas a adotarem uma ideia ou forma de pensar.

Os departamentos de treinamento também podem usar estratégias de gerenciamento de conhecimento para identificar, indexar e armazenar módulos de microlearning em sistemas de gerenciamento de aprendizagem para acesso, atualização e consulta do usuário sob demanda.

Certifique-se de intitular cada módulo corretamente em assuntos específicos. Com títulos precisos e sistemas de marcação, você poderá acessar cada módulo de microlearning quando surgirem necessidades críticas para suporte de desempenho de longo prazo.

Elementos-chave de um módulo de microlearning

Um módulo de microlearning geralmente consiste em quatro elementos principais: objetivos do microlearning (MLO), conteúdo do microlearning (MLC), entrega do microlearning (MLD) e avaliação do microlearning (MLE).

microlearning

 

1. Objetivos do microlearning (MLO)

Os objetivos do microlearning (MLO) precisam ser simples, diretos e específicos.

Por exemplo, você está construindo uma microunidade para treinar pessoas a identificar e avaliar riscos. Em vez de “Treinamento de Segurança”, você pode especificá-lo como “Treinamento de Segurança – Avaliação de Risco”.

Com títulos específicos e objetivos para o seu microlearning, você ajudará alunos distraídos a se concentrarem em locais de trabalho com pouco tempo. Você também pode indexar com precisão os assuntos do microlearning para futuros treinamentos sob demanda.

2. Conteúdo do microlearning (MLC)

O conteúdo do microlearning (MLC) contém as principais informações e atividades de treinamento. Tente se concentrar em uma ideia-chave e mais três subtópicos de apoio para cada microunidade.

Por exemplo, “Treinamento de Segurança – Avaliação de Riscos – Identifique os perigos” pode ser a ideia central. Já as “Três etapas principais para identificar os perigos” seriam os subtópicos de apoio.

Lembre-se de que nossa memória operacional pode processar uma quantidade limitada de informações de cada vez. Focar em uma única ideia com pontos de apoio ajudará nosso cérebro a processar melhor e integrar o treinamento.

3. Entrega do microlearning (MLD)

Diferentes conteúdos comandam diferentes formatos de mídia (Karvounidis, et al., 2014).

Além de artigos e PowerPoints, os vídeos são o método de apresentação mais popular atualmente.

  • Um videotutorial é mais eficaz se você deseja treinar um processo específico ou uma série de etapas para concluir uma tarefa.
  • Um vídeo de treinamento geralmente envolve pessoas reais para treinar habilidades comportamentais no local de trabalho, como treinamento de compliance, assédio ou comunicação.
  • Um screencast de vídeo é geralmente usado para comunicar uma ideia rápida ou resolver uma questão específica.
  • Um vídeo de palestra, como as palestras TED, é usado para transmitir conhecimentos gerais a um grande público.

Infográficos e podcasts também são formatos de entrega comuns para módulos de microlearning.

Os infográficos, em particular, podem aumentar a atratividade, a compreensão e a retenção do aprendizado. Eles também podem permitir a visualização de processos e orientar discussões de aprendizado para o aluno ou práticas de feedback (Ott, et al., 2014; Vanichvasin, 2013; Nuhoğlu, 2017)

microlearning

 

Relacionado:  E-learning: 8 recursos para uma comunicação eficaz

Além das opções de mídia, você pode expressar as informações em termos de perguntas ou misturar informações de maneiras inesperadas para ajudar a envolver os alunos e melhorar a retenção.

Além disso, é importante considerar o ambiente quando alguém está fazendo microlearning (Gottfredson & Mosher, 2011). As pessoas aprendem quando se sentem estressadas? Aprendem quando estão fazendo outras coisas?

Para ajudar a posicionar nossos alunos em um ambiente ideal de aprendizagem, podemos acrescentar algumas dicas. Por exemplo, “tente assistir a esta microaula em um espaço calmo e aconchegante, com o mínimo de distrações e um pouco de música relaxante”.

Relacionado: Como criar job aids que melhoram o desempenho dos funcionários

4. Avaliação do microlearning (MLE)

A peça final é a avaliação. O objetivo final de uma unidade de microlearning é a mudança de comportamento. Atividade, contexto e feedback são essenciais para esse propósito.

Por exemplo, você está criando atividades para “Treinamento de Segurança – Avaliação de Risco”. O objetivo dessas atividades é permitir que as pessoas aprendam a identificar e avaliar os riscos, e a decidir se vale ou não a pena seguir o caminho mais seguro.

Uma atividade simples é fornecer-lhes um cenário de local de trabalho e pedir-lhes que escrevam o que acham que é a melhor decisão e por quê. Então, eles podem fornecer feedback em termos do processo de decisão. Forneça outro cenário de local de trabalho comum e repita o processo de prática e feedback.

Com diversos comentários para vários cenários comuns, as pessoas impulsionarão seu desempenho na tomada de decisões com base em riscos. Para fornecer um feedback eficaz, as rubricas são essenciais.

Idealmente, os dados do aluno, facilitador, participantes e supervisor ou observadores podem ser combinados e analisados. Esses dados incluem o período de tempo desde o microtreinamento até a demonstração de ação, como as novas microcompetências são implementadas, desafios contínuos, etc.

Todos esses dados podem ajudar a determinar a eficácia dos módulos de microlearning e identificar modificações para o futuro.

Tendências do microlearning: como gamificar o microlearning

Gamificar um módulo de microlearning é usar atributos de jogo (Bedwell, et al., 2012; Landers, 2014) para aprimorar comportamentos ou atitudes-alvo.

Alguns atributos-chave do jogo são narrativa, regras, objetivos e progresso, interação, avaliação, conflito, controle e colaboração.

microlearning

 

A narrativa se refere à história global. A história fornece um contexto geral do cenário do jogo, como quem é o personagem principal, onde ele está, qual é o principal desafio e a solução potencial para superar o desafio.

As regras especificam o que fazer e o que não fazer e como fazer as coisas.

As metas indicam o propósito final e fornecem informações sobre o progresso em direção às metas.

A interação refere-se à capacidade dos participantes de realizar tarefas específicas na plataforma de aprendizagem.

A avaliação refere-se a como os progressos e realizações são monitorados. Uma avaliação mais comum é o uso de pontuação.

O conflito refere-se a vários desafios e competições durante o percurso.

O controle refere-se à habilidade de um participante de mudar a direção do caminho. Por exemplo, se o participante executa uma tarefa ou decisão específica, ele obterá suporte adicional para a próxima etapa.

A colaboração refere-se à oportunidade dos participantes trabalharem uns com os outros e relatarem o progresso.

Idealmente, para gamificar qualquer módulo de microlearning, plataformas de tecnologia de suporte são necessárias. Você também pode precisar usar vários módulos de microlearning sequencialmente para fazer o “scaffolding” (estruturar por níveis) do processo.

microlearning

 

Gamificação de microlearning: um exemplo

Por exemplo, se quisermos transformar “Treinamento de Segurança – Avaliação de Risco” em um módulo de microlearning gamificado, podemos usar atributos como narrativa, regras, objetivos e progresso, interação, avaliação, conflito, controle e colaboração.

  1. Para a narrativa, podemos fornecer uma história de fundo sobre um herói ou heroína que trabalha em uma fábrica de máscaras e percebe que o tempo de produção da fábrica está ficando mais longo e começando a ter atrasos graves. Esse atraso causou uma grande escassez no mercado durante o tempo de COVID, deixando milhões de pessoas em risco de morte.
  2. Seu objetivo é identificar as causas e melhorar o tempo de produção para que mais pessoas possam ser protegidas.
  3. A regra diz que o jogador precisa descobrir as causas sem expor os trabalhadores a um ambiente inseguro. O tempo é limitado.
  4. O progresso consiste em cinco módulos de microlearning. Pode haver uma barra visual indicando o progresso do jogador/aluno.
  5. Uma interação simples pode ser um conjunto de questionários. O jogador/aluno pode receber e analisar informações e inserir respostas para cada questionário.
  6. Quanto à avaliação, sempre que o jogador/aluno acertar num questionário, receberá alguns pontos. O sistema registra essa pontuação.
  7. Você pode aumentar o nível de conflito ou desafio tornando a situação mais complicada e os questionários mais difíceis à medida que progridem nos módulos.
  8. Para o controle, quando o jogador/aluno desbloquear cada módulo de microlearning, ele receberá ajuda extra ou suporte dos módulos, como mais dicas, por exemplo.
  9. O jogador/aluno também pode colaborar com colegas de trabalho para analisar e resolver os problemas juntos.
  10. Para o último módulo, temos um questionário final. Os resultados mostrarão se ele completou ou não a missão com sucesso.

Em resumo: escolha a estratégia de microlearning certa para seus objetivos de aprendizagem

Quando quiser criar um módulo de microlearning, faça a si mesmo estas perguntas para guiar seu processo de design e implementação:

  1. Qual objetivo você precisa que o módulo de microlearning alcance?
  • Preparar-se para um grande evento de treinamento?
  • Melhorar a mudança de desempenho após um grande treinamento?
  • Facilitar a reflexão?
  • Persuadir sobre uma ideia?
  1. Quantos módulos de microlearning você planeja criar? Em quantos dias, semanas, meses você planeja espaçá-lo?
  2. Como você deseja projetar cada módulo de microlearning?

Quais são os objetivos (MLO), conteúdo (MLC), entrega (MLD) e avaliação (MLE) do microlearning?

 

  1. Você planeja gamificar os módulos de microlearning?
  • Qual é a capacidade da tecnologia?
  • Como você planeja integrar os elementos do jogo, como narrativa, regras, objetivos e progresso, interação, avaliação, conflito, controle e colaboração?
  1. Você planeja construir uma biblioteca para receber todos os módulos de microlearning?
  • Qual é a sua estratégia para títulos? Como você planeja organizá-los e indexá-los?
  • Como as pessoas os encontrarão no futuro, quando houver necessidade?

Resumindo, o microlearning é uma ótima solução de design de aprendizagem para que os gerentes de treinamento possam fornecer treinamento sob demanda durante um período de tempo para melhorar a retenção de treinamento, facilitar a mudança de comportamento e apoiar o desempenho de funcionários a longo prazo.

Você precisa de melhores materiais de treinamento que envolvam os funcionários? A Venngage é a ferramenta de design simples, mas poderosa, para comunicação empresarial. Não requer experiência em design. Além disso, a inscrição é gratuita.

 

About Dr. Jiani Wu

A Dra. Jiani está atualmente trabalhando no modelo Micro Adaptive Gamified Inclusive Collaborative (MAGIC), onde está projetando um sistema para transformar qualquer currículo em uma experiência de aprendizagem personalizada. Sua paixão é criar experiências de aprendizagem de alta qualidade e ela conduz ativamente consultas de design de aprendizagem para organizações como a Fundação Bill & Melinda Gates, Hospital Infantil de Boston, Universidade de Boston, MIT Open Learning, MassChallenge e LearnLaunch.