Gráficos de setores e outras maneiras de mostrar porcentagens em infográficos

By Lydia Hooper, Apr 27, 2021

gráfico de setores

Uma das decisões mais importantes que você fará ao criar um infográfico diz respeito a quais recursos visuais você usará. Se estiver usando dados quantitativos, como porcentagens, você precisará decidir qual gráfico funcionará melhor para comunicar os números.

Os gráficos de setores e de rosca se tornaram os tipos de visualização de dados mais procurados, especialmente em infográficos, mas vale a pena perguntar: eles irão funcionar? Claro, eles são os mais familiares, mas pode haver opções melhores que você só precisa conhecer melhor.

A regra de ouro é sempre se perguntar: esse recurso visual ajudará alguém a interpretar e compreender melhor esses dados?

Nesta postagem, você terá todas as respostas para as suas perguntas sobre as melhores práticas de infográficos de gráficos de setores e outras maneiras de mostrar porcentagens em infográficos. Você pode então começar a trabalhar em seu próprio infográfico personalizando um modelo da Venngage. Basta carregar, copiar e colar ou inserir seus dados manualmente com nosso criador de gráficos de setores.


 

Clique para avançar:

 

Melhores práticas para usar gráficos de setores

Como os gráficos de setores ou de pizza são tão conhecidos, eles geralmente são fáceis de ler e compreender.

gráfico de setores


 

Porém, antes de mergulhar de cabeça, pense bem no que você vai fazer. Infelizmente, é muito fácil criar gráficos de pizza que não fazem muito sentido. Estes são alguns grandes erros a serem evitados:

1. Muitos setores – os setores ficam pequenos e difíceis de ler se houver mais de três ou quatro deles.

2. Mau uso de cores – devem ser diferentes o suficiente para que alguém possa identificar facilmente qual é o setor.

3. Rotulagem inadequada – as etiquetas devem ajudar o leitor a fazer conexões facilmente, como no exemplo abaixo. Se precisar usar uma legenda, provavelmente você tem muitos setores ou não escolheu as melhores cores.

gráfico de setores


 

4. Gráficos de setores em 3D – eles tornam mais difícil para as pessoas fazerem comparações visuais, exatamente o oposto do que se pretende com a visualização de dados.

5. Usar gráficos de setores para visualizar qualquer coisa além de porcentagens ou partes de um todo! (Sim, algumas pessoas cometem esse grande erro).

Nos últimos anos, cada vez mais pessoas têm usado gráficos de rosca também. É mais difícil torná-los significativos porque, ao remover o meio da “pizza”, seu público talvez não consiga enxergar os ângulos no centro para ajudá-los com as comparações.

Portanto, eles são mais indicados quando você estiver mostrando um único valor percentual ou duas partes muito diferentes de um todo, como neste exemplo.

gráfico de setores

 

Usando gráficos de barras para porcentagens

Os gráficos de barras geralmente são melhores para a visualização de dados do que gráficos de pizza e de rosca. (Pesquisas comprovaram isso.) Eles também são muito conhecidos e fáceis de fazer.

Também são fáceis de interpretar porque o leitor está comparando comprimento, em vez de área, ângulo ou curvatura — todos muito mais difíceis de comparar.

Pense nisso desta maneira: é fácil identificar a pessoa mais alta em uma multidão, mas geralmente é mais difícil determinar qual pessoa pesa mais ou tem a coluna mais reta. Lembre-se, você quer tornar superfácil para o seu público entender a informação, não fazer com que tenham que pensar demais — é por isso que os recursos visuais são tão valiosos!

Os gráficos de barras empilhadas também podem ser bons para fazer comparações, por exemplo, mostrando duas porcentagens que somam 100%.

gráfico de setores

 

Confira algumas dicas para fazer gráficos de barras que irão impressionar seu público:

1. Empilhe os gráficos de barras em ordem

Dessa forma, o leitor poderá determinar rapidamente qual valor é o mais baixo e qual é o mais alto.

gráfico de setores


 

2. Destaque barras relevantes com uma cor diferente

Isso é especialmente útil se você estiver tentando ajudar seu público a comparar uma porcentagem que não é a mais alta ou a mais baixa em um conjunto de categorias. Eis um exemplo:

gráfico de setores


 

3. Rotule bem o gráfico

Certifique-se de rotular os eixos para que seu público saiba o que está comparando. Normalmente, é uma boa ideia ter o eixo de porcentagem indo de 0% a 100% para fique fácil comparar os valores não apenas entre si, mas com o valor máximo possível.

Se você tiver espaço, adicione ícones significativos como neste exemplo de barra empilhada.

gráfico de setores


 

4. Use linhas de grade sutis se houver muitas barras para comparar

Neste gráfico de barras empilhadas, o leitor pode usar as linhas das porcentagens nos eixos para ler as barras centrais.

gráfico de setores


 

O herói anônimo: o pictograma

Outra opção para mostrar as porcentagens é o pictograma. Pictogramas podem ser a melhor opção dos citados, por diversos motivos.

1. Pictogramas são ótimos para mostrar proporções, que costumam ser mais relacionáveis

Se você puder simplificar as porcentagens em proporções, é provável que as pessoas absorvam a informação com mais facilidade; por exemplo, 1 em cada 4 mulheres em vez de 26% das mulheres.

Com um pictograma, você mostra a proporção facilmente e ajuda seu público a enxergar o número, como no exemplo abaixo:

gráfico de setores


 

2. Os pictogramas facilitam as comparações

Os pictogramas tornam muito fácil para o seu público comparar as porcentagens. Nesse exemplo, em vez de comparar 75% a 85%, seu público está basicamente comparando 7 a 8.

Eis outro exemplo. Os números percentuais que estão sendo comparados são muito mais baixos (4-10%), portanto, esse recurso visual ajuda as pessoas a perceberem pequenas diferenças que provavelmente seriam ignoradas em um gráfico de barras com um eixo que vai até 100%.

gráfico de setores


 

3. Os ícones ajudam os leitores a se conectarem melhor com os dados

Isso é particularmente importante se você estiver contando uma história sobre pessoas reais, porque permite que os leitores criem empatia ao ler os dados, algo que costuma criar distância emocional.

Abaixo, temos um exemplo que visualiza uma porcentagem maior, em vez de uma proporção mais simples. Se a estatística para a qual você está chamando a atenção for convincente, por exemplo, 60% das pessoas conhecem alguém que já teve câncer, então vale a pena mostrar o quão grande é a porcentagem dessa forma.

gráfico de setores


 

Mostrando porcentagens em infográficos

Agora que você tem um melhor entendimento desses tipos de gráfico e como usá-los da melhor forma para mostrar porcentagens, pode considerar incluí-los em seus infográficos. Apenas lembre-se de sempre se perguntar quais recursos visuais ajudarão mais seu público a entender os dados.

Se o seu infográfico contém muitos pontos percentuais dignos de nota, você pode combiná-los com textos e outros recursos visuais para ajudar a contar uma história.

Relacionado: Data storytelling: o que é, como funciona e como aplicar esse conceito?

Confira alguns exemplos. O primeiro usa pictogramas e um gráfico de pizza. O que você acha que é mais eficaz?

gráfico de setores


 

Eis outro exemplo que inclui mais dados. Os diferentes recursos visuais — gráficos de setores, gráficos de barras e pictogramas — criam variedade para o leitor. Agora que você está mais familiarizado com as várias opções, mostraria esses dados de maneira diferente? Você pode usar este modelo para experimentar novas abordagens agora mesmo!

gráfico de setores


 

Se você estiver procurando por mais dicas, verifique o que fazer e o que não fazer no design de seus gráficos.

Depois de reunir todas as dicas de que precisa, é fácil começar a fazer um gráfico de pizza usando os modelos e o editor de arrastar e soltar da Venngage. Você pode começar a criar e publicar seus infográficos gratuitamente ou fazer upgrade para um plano pago para baixá-los.


 

 

About Lydia Hooper

Lydia Hooper é redatora de design de informações da Venngage. Seus conteúdos sobre visualização de dados e design de informação foram publicados pela Data Visualization Society, UX Collective, SAGE Publishing’s MethodSpace e Evergreen Data. Ela passou mais de quatro anos ensinando pessoas de todas as idades como educadora informal. Lydia também projetou e ministrou workshops para dezenas de organizações, incluindo American Institute of Graphic Arts-Colorado e Rocky Mountain Chapters da Association for Talent Development e da Society for Technical Communication.